Labels

SUPPORT JULIAN ASSANGE

Tuesday, March 27, 2018

PT -- Rob SLANE -- 30 perguntas que os jornalistas devem fazer sobre o caso Skripal


Rob SLANE
Março 20, 2018
Há muitas questões à volta do caso de Sergei e Yulia Skripal que, no momento em que escrevo, são pouco claras e bastante estranhas. Pode haver explicações boas e inocentes para algumas ou mesmo para todas elas. Então, também pode não haver. Por este motivo é que é crucial que as perguntas sejam feitas  agora, onde não há respostas ou as mesmas sejam profundamente insuficientes.
Algumas pessoas vão considerar que é território da teoria da conspiração. Não é, pela simples razão de que não tenho nenhuma teoria credível – seja ela conspiração ou qualquer outra - para explicar todos os detalhes do incidente em Salisbury, do princípio ao fim, e não estou a tentar influenciar nenhuma. Não tenho ideia de quem esteve por trás desse incidente e continuo a manter a mente aberta para muitas explicações possíveis.
No entanto, há uma série de bizarrias na narrativa oficial, que exigem respostas e esclarecimentos. Não é necessário ser um teórico da conspiração ou um defensor do Estado russo para ver isso mesmo. Só é preciso  um cepticismo saudável, “do tipo que é desenvolvido por todas as mentes inquiridoras!"
Abaixo estão 30 das perguntas mais importantes sobre o caso e as respostas do Governo britânico que, efectivamente, não estão completamente respondidas ou que necessitam ser esclarecidas.

1. Por que razão é que não houve actualizações sobre o estado de saúde de Sergei e Yulia Skripal, divulgadas a público desde a primeira semana da investigação?
2. Ainda estão vivos?
3. Em caso afirmativo, qual é a sua condição actual e quais são os sintomas que eles apresentam?
4. Numa carta  recente ao The Times, Stephen Davies, distinto Clínico em Medicina de Urgência, do Salisbury NHS Foundation Trust, escreveu o seguinte:
Caro Senhor, Referindo o seu relatório ("A exposição ao veneno requer quase 40 anos de tratamento”, em 14 de Março), posso esclarecer que nenhum paciente sofreu intoxicação por agente neurotóxico, em Salisbury, e só houve três pacientes com envenenamento significativo.”
A sua alegação de que “nenhuns pacientes sofreram intoxicação por agentes neurotóxicos em Salisbury” é notavelmente estranha, pois parece contradizer categoricamente a narrativa oficial. Teria sido um deslize da caneta, ou seria a sua intenção comunicar exactamente este conteúdo - de que nenhum paciente foi envenenado por um agente neurotóxico em Salisbury?
5. Foi dito que os Skripals e o detective-sargento, Nick Bailey, foram envenenados por “um agente neurotóxico de nível militar”. De acordo com algumas alegações, o tipo referido poderia ser entre cinco e oito vezes mais tóxico do que o agente neurotóxico VX. Dado que apenas uma porção de 10mg de VX é calculada como sendo a dose letal média, parece provável que o tipo específico mencionado no caso Skripal os deveria ter matado instantaneamente. Existe uma explicação de como ou por que é que isso não aconteceu?
6. Embora os relatos sugerissem o envolvimento de algum tipo de agente neurotóxico pouco depois do incidente, o mesmo incidente aconteceu quase uma semana antes do Public Health England emitir conselhos para aqueles que visitaram o pub The Mill ou o restaurante Zizzi, em Salisbury no dia em que o Skripals adoeceu. Por que é que houve este  atraso e isso representa um perigo para o público?
7. Nos seus conselhos, a Public Health England declarou que as pessoas que visitaram esses lugares, onde vestígios de um agente neurotóxico de nível militar aparentemente tinha sido encontrado, deveriam lavar suas roupas e:
 “Limpar artigos pessoais, como telefones, bolsas e outros artigos eletrónicos com toalhetes de limpeza ou toalhetes humedecidos de higiéne de bebés, e descartar os toalhetes de limpeza no lixo (contentores de lixo doméstico comum).”
Os toalhetes humedecidos para bebés são considerados um método eficaz e seguro de lidar com objectos que podem ter sido contaminados com um “agente neurotóxico de grau militar”, especialmente de um tipo de tóxico 5 a 8 vezes mais mortal do que o VX?
8. Os relatórios iniciais sugeriam que o Sargento-Detective Bailey ficou doente depois de entrar em contacto com a substância, após ter estado sentado no banco onde os Skripals estiveram sentados, no ‘The Maltings’, em Salisbury. No entanto, objecções posteriores, feitas em público pela primeira vez,  pelo  antigo Comissário da Polícia Metropolitana, Lord Ian Blair, em 9 de Março, disseram que Bailey entrou em contacto com a substância, na casa de Sergei Skripal, na Christie Miller Road. Desde então, os relatórios têm sido altamente ambíguos sobre o que deveria ser um facto facilmente verificável. Qual é a versão correcta?
9. O governo alegou que o veneno usado era “um agente neurotóxico de grau militar de um tipo desenvolvido pela Rússia”. A frase “de um tipo desenvolvido pela Rússia” não diz absolutamente nada sobre se a substância usada no caso de Salisbury, foi produzida ou fabricada na Rússia. Será que o governo pode confirmar que os seus cientistas, em Porton Down, demonstraram que a substância que envenenou os Skripals e DS Bailey foi realmente produzida ou fabricada na Rússia?
10. O antigo Embaixador de Inglaterra, no Uzbequistão, Craig Murray, afirmou que fontes do Foreign and Commonwealth Office (FCO) lhe disseram que os cientistas em Porton Down não concordariam com uma declaração sobre o local de origem da substância, porque eles  não eram capazes de demonstrá-lo. De acordo com o Sr. Murray, apenas sob muita pressão do governo eles acabaram por concordar com o texto de compromisso, “de um tipo desenvolvido pela Rússia”, que foi posteriormente usado em todas as declarações oficiais sobre o assunto. Pode o FCO, em inglês claro e inequívoco, refutar categoricamente as alegações de Murray de que foi feita pressão sobre os cientistas de Porton Down para concordarem com a forma como o texto estava redigido e que no fim, chegaram a um acordo com uma versão muito diluída?
11. Na ocasião em que o FCO tentou refutar as afirmações de Murray, a redacção que eles usaram incluía uma repetição directa da mesma frase - “de um tipo desenvolvido pela Rússia”. O FCO está disposto e é capaz de ir além desta afirmação e confirmar que a substância não era apenas "de um tipo desenvolvido pela Rússia", mas que foi "produzida" ou "fabricada" na Rússia?
12. Por que é que o Governo Britânico emitiu um ultimato de 36 horas ao Governo Russo para apresentar uma explicação, mas depois recusou o seu pedido para partilhar as provas que supostamente apontavam para a sua culpabilidade? (Não poderia haver perigo de adulteração, visto que Porton Down teria mantido a sua própria amostra.)
13. Como é possível que um Estado (ou mesmo que qualquer pessoa ou entidade) que tenha sido acusado de algo, defender-se contra uma acusação se lhes for recusado o acesso a provas que, aparentemente, apontam para a sua culpa?
14. Não é um caso claro de reversão da presunção de inocência e do devido processo legal?
15. Além do mais, por que razão o Governo Britânico emitiu um ultimato ao Governo Russo, em contravenção às regras da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) que regem essas questões, às quais tanto a Grã-Bretanha como a Rússia são signatárias, e que são claramente definidas no Artigo 9, Parágrafo ii da Convenção sobre Armas Químicas (CWC)?
16. Dado que a investigação, que foi descrita pela pessoa que a liderou como sendo “uma investigação extremamente desafiadora” e como tendo “um número de questões únicas e complexas”, e dado que muitos dos factos do caso ainda não são conhecidos, tais como: quando, onde e como a substância foi administrada, como é possível o Governo Britânico apontar o dedo da culpa com tanta certeza?
17. Além do mais, ao fazê-lo, eles não politizaram e prejudicaram a investigação?
18. Por que motivo o Governo Britânico sentiu a necessidade de apresentar uma acusação de pouco mais de uma semana de investigação, em vez de aguardar a sua conclusão?
19. No Andrew Marr Show, em 18 de Março, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, declarou o seguinte:
 “E eu poderia apenas dizer em resposta ao argumento do Sr. Chizhov sobre os depósitos russos de armas químicas: Na verdade, tivemos provas nos últimos dez anos de que a Rússia não estava apenas a investigar a entrega de agentes neurotóxicos para fins de assassinato, mas também está a criar e a armazenar o Novichok ”.
De onde vem essa informação secreta e será que ela foi devidamente verificada?
 20. Se esta informação era conhecida antes de 27 de Setembro de 2017 - data em que a OPCW emitiu umadeclaração, afirmando a conclusão da destruição de todas as 39.967 toneladas de armas químicas possuídas pela Federação Russa - por que é que a Grã-Bretanha não informou a OPCW que os seus serviços secretos contradizem, aparentemente, esta afirmação, que eles teriam obrigação legal de ter feito?
21. Se esta informação era conhecida após 27 de Setembro de 2017, porque é que a Grã-Bretanha não informou a OPCW desta “nova” informação, que era legalmente obrigada a fazer, uma vez que supostamente mostra que a Rússia estava a mentindo à OPCW e estava a levar a cabo um programa clandestino de armas químicas?
22. Também no programa de Andrew Marr, o Sr. Johnson fez a seguinte afirmação depois da  pergunta se ele estava “absolutamente certo” de que a substância usada para envenenar os Skripals era um “Novichok”:
“Obviously to the best of our knowledge this is a Russian-made nerve agent that falls within the category Novichok made only by Russia, and just to get back to the point about the international reaction which is so fascinating.” “Obviamente, pelo que sabemos, este é um agente neurotóxico russo que se enquadra na categoria Novichok feita apenas pela Rússia, e apenas para voltar ao ponto sobre a reacção internacional que é tão fascinante.”
A frase ““to the best of our knowledge = Pelo que sabemos ou pelo melhor do nosso conhecimento” é uma resposta adequada ao pedido do Sr. Marr de que ele “tenha a certeza absoluta”?
23. Esta base jurídica é suficientemente boa para acusar outro Estado e para impor medidas punitivas, ou é mais a certeza necessária antes que tal acusação seja feita?
24. Depois de limitar as suas palavras com a frase " to the best of our knowledge ", o Sr. Johnson foi além das alegações anteriores do Governo de que a substância era "de um tipo desenvolvido na Rússia", dizendo que era "feita na Rússia". Será que os cientistas de Porton Down conseguiram demonstrar que, de facto, era "feito na Rússia", ou esse era o caso de Johnson se estar a desviar da posição estabelecida?
25. Ele também foi além da alegação anterior de que a substância era "de um tipo desenvolvido na Rússia", dizendo que a substância envolvida no caso Skripal "se enquadra na categoria Novichok feita apenas pela Rússia"? Em primeiro lugar, o Sr. Johnson será capaz de fornecer provas de que esta categoria de armas químicas foi sintetizada com sucesso na Rússia, especialmente à luz do Conselho Consultivo Científico da OPCW, que afirmou tão recentemente como em 2013, que tem “informações insuficientes para comentar sobre a existência ou propriedadesdo 'Novichoks' “?
26. Como Craig Murray salientou novamente, desde a declaração de 2013, a OPCW trabalhou (legalmente) com cientistas iranianos que foram bem sucedidos a sintetizar essas armas químicas. O snr. Johnson estaria ciente de que a categoria de armas químicas "Novichok" havia sido sintetizadas  noutro lugar, quando ele afirmou que essa categoria de armas químicas é "feita apenas pela Rússia"?
27. O facto de que, cientistas iranianos terem conseguido sintetizar essa classe de armas químicas, sugere que outros Estados têm a capacidade de fazer o mesmo?
28. Será que o Governo britânico está ciente de que a principal fábrica envolvida nas tentativas de sintetizar Novichoks, nas  décadas de 1970 e 1980, não estava instalada na Rússia, mas sim, em Nukus, no Usbequistão?
29. O facto do Departamento de Defesa dos EUA ter descontaminado e desmantelado as instalações de Nukus, de acordo com o Governo do Uzbequistão, torna, pelo menos teoricamente possível, que as substâncias ou os segredos mantidos dentro daquela fábrica possam ter sido levados para fora do país e mesmo de volta para os Estados Unidos?
30. A ligação entre o recrutador de Sergei Skripal para o MI6, Pablo Miller, que também vive em Salisbury, e Christopher Steele, o autor do chamado “Trump Dossier”, está bem estabelecida, assim como o facto de o Sr. Skripal e o Sr. Miller se reunirem regularmente na City. Essa ligação será de algum interesse para a investigação do incidente em Salisbury?
Se houver jornalistas com integridade e com mentes inquiridoras que ainda a viver neste país, ficaria muito grato se eles pudessem começar a fazer o seu trabalho e pesquisar as respostas a este tipo de perguntas, interrogando as pessoas e autoridades apropriadas.

Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Post a Comment

assange



At midday on Friday 5 February, 2016 Julian Assange, John Jones QC, Melinda Taylor, Jennifer Robinson and Baltasar Garzon will be speaking at a press conference at the Frontline Club on the decision made by the UN Working Group on Arbitrary Detention on the Assange case.

xmas





the way we live

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

RC



info@exopoliticsportugal.com

BJ 2 FEV


http://benjaminfulfordtranslations.blogspot.pt/


UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00h UTC


By choosing to educate ourselves and to spread the word, we can and will build a brighter future.

bj


Report 26:01:2015

BRAZILIAN

CHINESE

CROATIAN

CZECK

ENGLISH

FRENCH

GREEK

GERMAN

ITALIAN

JAPANESE

PORTUGUESE

SPANISH

UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT


BENJAMIN FULFORD -- jan 19





UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT

PressTV News Videos