Labels

SUPPORT JULIAN ASSANGE

Friday, May 29, 2015

RÉSEAU VOLTAIRE -- Como será o Próximo-Oriente após o acordo entre Washington e Teerão ?

Como será o Próximo-Oriente após o acordo entre Washington e Teerão ?

Todos os actores do «Médio-Oriente Alargado» esperam, com angústia, saber o que Washington e Teerão acordaram em relação ao seu futuro. Como a respeito disso ninguém sabe nada, para assegurar a sua sobrevivência cada qual deve calcular as hipóteses e preparar-se para as reviravoltas da situação. Thierry Meyssan explica-nos aqui o seu prognóstico.

 | DAMASCO (SÍRIA)  

JPEG - 30.5 kb
Que podem estar a dizer, um ao outro, John Kerry e Mohammad Javad Zarif ?
A reunião do Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo a 14 de maio, em Camp David, foi a última etapa antes de Washington e Teerão assinarem o seu acordo, a 30 de Junho. Os Estados do Golfo não podiam publicamente senão felicitar-se pela paz reencontrada. No entanto, como todos os actores da região, eles interrogam-se sobre quem vai pagar o preço das cláusulas secretas e procuram antecipar a nova ordem regional.

O presidente Obama recusou assinar um tratado que garantisse a manutenção dos regimes vigentes, enquanto as delegações dos Estados do Golfo recusaram assinar um texto que não garantisse a perenidade dos seus Estados. No fim os Estados Unidos reconheceram-lhes o estatuto de «grandes aliados entre os não-membros da Otan» e venderam-lhes uma astronómica quantidade de armas.
Durante anos, Washington manteve o mito segundo o qual a República islâmica do Irão procurava dotar-se de armas nucleares, preparando-se para derrubar todos os regimes árabes, e que queria exterminar a população israelita. Mas, em março de 2013, o presidente Barack Obama e o Guia da Revolução Ali Khamenei mandataram emissários secretos para conversações em Omã [1]. Depois de mais de 2 anos de negociações bilaterais, Washington e Teerão puseram-se de acordo para desbloquear as negociações multilaterais ditas dos «5+1». Agora, toda a gente admite que o Irão cessou de ambicionar a bomba atómica, desde 1988, mesmo se continuou as pesquisas sobre a aplicação militar de tecnologias do átomo civil. A 30 de junho, as cinco potências do Conselho de Segurança e a Alemanha deverão, finalmente, levantar o embargo e os Estados Unidos deverão restituir, de imediato, um quarto dos bens iranianos bloqueados, ou seja cerca de US$ 50 biliões de dólares. No mesmo dia, Washington e Teerão partilharão entre si o Médio-Oriente Alargado, numa espécie de novo Sykes-Picot ou de Yalta regional.

Quais poderão ser as clausulas desta partilha ?

O papel dos intelectuais é o de permitir entender o mundo que nos rodeia. Nesta situação, deve-se, pois, prognosticar o que será a região após o acordo. Ora, ninguém se atreve a dar a sua opinião. Em primeiro lugar, porque há grandes possibilidades de errar e, em seguida, porque quaisquer que sejam as hipóteses formuladas elas provocarão a ira de ambos os campos, ao mesmo tempo. Com efeito, a lógica deste tipo de acordo é de revolucionar a sua estratégia, portanto, de trair alguns dos seus aliados, o que não pode ser assumido publicamente.
Considerando que eu sou um ser livre que se bate por princípios e não para agradar, atrever-me-ei a formular algumas hipóteses. Eu não detenho informações ocultas, razão pela qual sugiro considerar o seguinte:
- Inicialmente, Washington havia encarado partilhar o «Médio-Oriente Alargado» com a Rússia. Foi o tema da Conferência de paz de Genebra, em junho de 2012. No entanto, o renascer do poderio russo convenceu os Estados Unidos que eles não podiam confiar o policiamento regional a um Estado que não ambicionava ser um sub-Império, mas, antes, tornar-se um centro independente. Eles viraram-se então para o Irão. Por consequência, o objectivo estratégico de Washington, com este acordo, é o de repôr o Irão no papel que ele exercia na época do Xá, o de “gendarme” regional. Ao aceitá-lo Teerão renunciará ao ideal anti-imperialista do imã Khomeiny. Aquele havia, com efeito, consagrado o seu primeiro discurso, aquando do seu regresso à pátria, à exortação do exército para não mais servir os interesses dos Anglo-Saxões, mas a colocar-se ao serviço da liberdade dos povos.
- Para ser aceite pelas opiniões públicas, a assinatura do acordo deve traduzir-se por um cessar-fogo, o mais amplo possível, depois pela divisão da região em esferas de influência. Simultaneamente, o acordo deve satisfazer os dois objectivos estratégicos norte-americanos na região : a segurança de Israel e o controlo dos recursos energéticos. O Irão deverá, pois, admitir que as monarquias do Golfo mais o Reino da Jordânia, e eventualmente o de Marrocos, formem uma «Força árabe comum» dentro dos auspícios da Liga árabe, mas sob comando militar israelita [2]. Por seu lado, os Estados Unidos deverão aceitar que o Iraque, a Síria e o Líbano sejam «estabilizados» pelo Irão.
- Como em todo o clássico acordo de partilha trata-se de privilegiar a estabilidade por sobre a mudança, portanto de admitir que as fronteiras não podem ser «remodeladas» senão pela negociação, e não pela força. Os Estados Unidos deverão abandonar a estratégia do Caos [3], que tem aplicado desde 2001. Do seu lado, o Irão deverá renunciar a exportar a sua Revolução.
A Rússia, que seria a única potência capaz de fazer abortar este acordo, não intervirá, porque ela se recolheu sobre o antigo espaço soviético [4]. A China, por sua vez, observará com desespero o seu aliado iraniano a fugir-lhe por entre os dedos, enquanto os EUA continuarão o seu reforço militar no Extremo-Oriente.

As possíveis consequências deste acordo

Pode-se, desde já, antecipar as possíveis consequências destas hipóteses: A queda do governo Netanyahu e a sua substituição por uma coligação(coalizão-br) que honrará, com 18 anos de atraso, os Acordos de Oslo; o reconhecimento mundial do Estado palestiniano e o abandono, tanto pela Fatah como pelo Hamas, do seu direito inalienável de retorno através de uma discreta compensação financeira ; a saída de Hassan Nasrallah e de Saad Hariri da vida política; a paz na Síria, mas a impossibilidade de aí explorar o gás para financiar a sua reconstrução; etc ...
Este cessar-fogo geral deixará Washington e Teerão livres para agir, à sua vontade, nas suas zonas de influência, ficando claro que o Irão não será mais o mesmo, mas, sim, o vassalo dos Estados Unidos. Deste modo, o Irão vai tentar impôr os seus escolhidos nos governos do Iraque, Síria e Líbano. Pelo seu lado, Washington vai tentar derrubar, uma após outra, cada monarquia do Golfo, com exceção do Catar, e de os substituir pelos Irmãos Muçulmanos.
Tradução
Alva
[1] “O que vocês ignoram sobre os acordos americano-iranianos”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 6 de Abril de 2015.
[2] “A Força «árabe» de Defesa comum”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 20 de Abril de 2015.
[3] « Ashton Carter nomme le nouveau stratège du Pentagone », Réseau Voltaire, 17 mai 2015.
[4] “Linha directa com Vladimir Putin”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 4 de Maio de 2015.
Post a Comment

assange



At midday on Friday 5 February, 2016 Julian Assange, John Jones QC, Melinda Taylor, Jennifer Robinson and Baltasar Garzon will be speaking at a press conference at the Frontline Club on the decision made by the UN Working Group on Arbitrary Detention on the Assange case.

xmas





the way we live

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

RC



info@exopoliticsportugal.com

BJ 2 FEV


http://benjaminfulfordtranslations.blogspot.pt/


UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00h UTC


By choosing to educate ourselves and to spread the word, we can and will build a brighter future.

bj


Report 26:01:2015

BRAZILIAN

CHINESE

CROATIAN

CZECK

ENGLISH

FRENCH

GREEK

GERMAN

ITALIAN

JAPANESE

PORTUGUESE

SPANISH

UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT


BENJAMIN FULFORD -- jan 19





UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT

PressTV News Videos