Labels

SUPPORT JULIAN ASSANGE

Sunday, May 24, 2015

Português -VETERANS TODAY -- Dzhokhar Tsarnaev: Mais um Inocente para a forca? PARTE 1



Postado por  Moti Nissani, em 16 de Maio de 2015





Resumo: Todos concordam que a Conspiração Gladio-Europa (Gladio-Europe Conspirac) foi uma campanha de terror patrocinada pelo Sindicato e  falsamente atribuída a terroristas de esquerda. Por sua vez, levanta a possibilidade de que o terror contemporâneo seja também patrocinado pelo Sindicato, falsamente atribuído a muçulmanos radicais e a outros. Para apoiar ainda mais essa possibilidade, esta publicação  descreve 19 características gerais do terror contemporâneo. Por razões de brevidade, este esquema concentra-se exclusivamente na instituição subserviente mais poderosa do Sindicato - o governo americano, e as operações terroristas desta mesma instituição subserviente,  apenas num país – os Estados Unidos da América, e ilustra cada característica, somente com um acto de terror interno – as Explosões da Maratona de Boston, em Abril de 2013. Tomadas em conjunto, estas 19 características (i) fornecem um quadro teórico de terror falsificado, (ii) facilitam a identificação dos incidentes de terror falsificados, passados e futuros, (iii) lançam luz sobre tais incidentes, (iv) dão provas quase conclusivas para a omnipresença do terror patrocinado pelo governo dos EUA, e, como efeito colateral, (v) confirmam convincentemente a suspeita de que as explosões de Boston foram orquestrados pelo Sindicato (principalmente a funcionar através do seu posto avançado, em Washington DC).



"A tragédia das investigações históricas é: A confirmação de hipóteses diabólicas através de factos horrendos." - Anónimo

"O único meio de ser capaz de se proteger a si mesmo, será  compreender a resposta para a seguinte pergunta: "Qual será a jogada final das famílias mais poderosas que estão, de facto,  a governar países e mercados? '"- Jim Sinclair


"Os governos são muito mais perigosos do que quaisquer  outros elementos, dentro da sociedade." - Niccolo Machiavelli

Prólogo:


Ontem, 15 de Maio de 2015, Dzhokhar Tsarnaev foi condenado à morte. Esta tragédia leva-me a voltar a postar um artigo que escrevi sobre o assunto há dois anos. Desde então, surgiram mais evidências da inocência de Dzhokhar. Contudo, sinto que é importante mostrar que já estava claro, em 2013, que Dzhokhar tinha sido incriminado. Assim, excepto este prefácio e o título alterado, esta postagem é idêntica à original.

ChasALindberghJr

Mas, podem perguntar: É concebível que nos dias de hoje, nos Estados Estados Unidos da América, pessoas inocentes sejam incriminadas, presas, ou condenadas erradamente à morte? Os seguintes exemplos aleatórios sugerem que a resposta a esta pergunta é um sonoro SIM:


Muitos denunciadores, homens e mulheres que arriscaram as suas carreiras e vidas para informar o público dos crimes do  governo contra o povo americano e contra a Constituição -  têm sido encarcerados, torturados, forçados a esconder-se, ou mortos.

JoeHill


O PROJECTO INOCÊNCIA  oferece uma estimativa muito conservadora: "Nunca saberemos ao certo, mas os poucos estudos feitos estimam que entre 2,3% e 5% de todos os prisioneiros nos EUA são inocentes (neste contexto, se apenas 1% de todos os presos são inocentes, isso significaria que mais de 20.000 pessoas inocentes estão na prisão). "Não é um erro, mas sim, uma característica permanente, deliberada e sistemática.

Entre 2001 e 2010, cerca de 7,2 milhões de americanos foram presos (https://www.aclu.org/gallery/marijuana-arrests-numbers) pelo "crime" de posse de marijuana/maconha. Essas prisões não tinha nada a ver com a preocupação sobre a liberdade, ou bem-estar do povo americano, e tinha tudo a ver com os lucros da "indústria" da prisão privada, o financiamento das operações da CIA e outras agências governamentais de distribuição de drogas, uma desculpa para encarcerar pessoas mais propensas a iniciar uma revolução, e levar as pessoas a acostumar-se à vida Neste Dia Perfeito. 


- Em 1936, Richard Hauptmann, um cidadão germano-americano, foi executado por cometer o chamado "crime do século." Surpreendentemente para os historiadores dos casos de cativeiro, Hauptmann "recusou” (http://en.wikipedia.org/wiki/Lindbergh_kidnapping) uma oferta da última hora para comutar a sua execução por uma pena de prisão perpétua em troca de uma confissão." Hauptmann não tinha nenhum motivo para matar o bébé Lindbergh, mas o Governo invisível tinha não só o registo criminal http://www.veteranstoday.com/2015/04/16/pillars-of-american-democracy-cloak-and-dagger-smoking-gun-evidence/, como o motivo: o avô e homónimo desta criança espancada, foi o 'Inimigo nº 1 dos banqueiros,  de 1907-1917. Exemplificando: em 1917, o Congressista Lindbergh teve a ousadia de tentar acusar os membros do Conselho de Administração da Reserva Federal, incluindo o todo-poderoso Paul Warburg.


- Em 1936, Richard Hauptmann, um cidadão germano-americano, foi executado por cometer o chamado "crime do século. "Surpreendentemente, para os historiadores dos casos de cativeiro, Hauptmann "recusou” (http://en.wikipedia.org/wiki/Lindbergh_kidnapping) uma oferta da última hora para comutar a sua execução por uma pena de prisão perpétua em troca de uma confissão." Hauptmann não tinha nenhum motivo para matar o bébé Lindbergh, mas o Governo invisível tinha não só o registo criminal, como o motivo: o avô e homónimo desta criança espancada, foi o 'Inimigo nº 1 dos banqueiros,  de 1907-1917. Exemplificando: em 1917, o Congressista Lindbergh teve a ousadia de tentar acusar os membros do Conselho de Administração da Reserva Federal, incluindo o todo-poderoso Paul Warburg.




-       Em 1915, Joe Hill, um cantor e compositor, activista e lutador incansável pela justiça, foi incriminado e morto pelo governo por um crime que não cometeu. Hill explicou os "motivos" dos banqueiros:  O abaixo assinado [Hill] sendo, como eles pensavam, um vagabundo sem amigos, um sueco, e, pior de tudo, um membro do IWW (união sindicalista internacional do trabalho industrial, considerada radical por muitos, que foi organizada em Chicago em 1905 e que se desintegrou depois de 1920), não tinha o direito de viver de qualquer maneira, e, portanto, foi devidamente seleccionado para ser "o bode espiatório'. "


SaccoAndVanzetti

-       Em 1927, os activistas trabalhistas e pacifistas, Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti, foram incriminados e executados.

Qualquer pessoa com o mínimo de competência de investigação poderia encontrar milhares de tais exemplos, todos mostrando que o sistema da justiça americana -  mesmo nos dias em que os americanos usufruiam um pouco de liberdade, foi sempre um instrumento de Governo Invisível da América. Por favor, tenham sempre em mente esse facto incontestável, quando lerem  a  narrativa a seguir.


Introdução

Um mês após as explosões da Maratona de Boston, em  de Abril 2013, que tinham sido oficialmente classificadas como actos de terror e que mataram três pessoas e fizeram dezenas de feridos, Richard Cottrell, um especialista sobre a Gladio-Europe, escreveu:


"Na década de 1960, e continuando até e durante a década de 1980,  os exércitos secretos Gladio da NATO e os seus consortes do crime organizado, bem como as organizações de extrema direita, levaram a cabo aquilo que ficou conhecido como a ‘Estratégia de Tensão. '. . . A estratégia tinha a intenção de convencer os europeus do ‘inimigo interno" - de células comunistas adormecidas, empenhadas em derrubar o sistema estabelecido.


"Agora os muçulmanos fanáticos estão na ordem do dia. A cada nova atrocidade, segue-se uma nova rodada de prisões, preparada para ligar os americanos à perda dos direitos e das liberdades civis concedidas pela Constituição.


"Vocês foram avisados."


Escritores como Richard Cottrell, Gordon Duff, James Fetzer, Stephen Lendman, ou Kevin Barrett, insistem em que a proclamada "guerra ao terror" é, na verdade, uma continuação da organização Gladio. Gostaria de sustentar esta alegação, examinando a Conspiração Gladio americana como um todo.


A organização Gladio  continua nos dias de hoje em dezenas de países, mas, na sua maior parte, a discussão a seguir está centrada num posto-chave dos desígnios maquiavélicos dos banqueiros - os Estados Unidos da América. A discussão será restringida ao terror interno, mesmo que tal terror seja  apenas a fracção de uma fracção do terror que aquele país inflinge em todo o mundo. Por fim, cada uma das 19 características marcantes do terror patrocinado pelo governo americano será ilustrada apenas com o exemplo recente de algo designado oficialmente como um acto de terror - as explosões da Maratona de Boston, de Abril de 2013.





Lu Lingzi, de 22 anos de idade e de nacionalidade chinesa a estudar  estatísticas, na Universidade de Boston, foi uma das três pessoas mortas na tragédia de Abril em Boston. As outras duas vítimas foram Martin Richards, um jovem americano de 8 anos e Krystle Campbell, um americano de 29 de idade, gerente de um restaurante.


Esse trágico incidente ocorreu em 15 de Abril de 2013, perto da linha de chegada da Maratona de Boston. O governo afirma que três pessoas foram mortas e 264 feridas. O governo imputou a autoria das explosões a um cidadão saudita, mas, segundo informações recebidas, depois das reuniões separadas e improvisadas do embaixador saudita nos EUA com o Presidente americano e com o Secretário de Estado, e depois ainda da esposa do Presidente ter visitado esse suspeito no hospital, a acusação terminou e ele foi sumariamente deportado. Então, o  governo seguiu em frente  e determinou a autoria dessas duas explosões sem sentido a dois irmãos de etnia chechena, que viviam em Boston. Em 18 de Abril, o irmão mais velho, Tamerlan Tsarnaev, foi capturado e morto. Um dia depois, o irmão mais novo, Dzhokhar Tsarnaev, foi capturado e ferido, mas, no momento em que este artigo está a ser escrito, o governo afirma que ele está  a recuperar bem dos graves ferimentos físicos, que lhe foram  infligidos.


Ao longo desta discussão, os leitores devem ter em mente uma característica fundamental das ciências naturais. Por exemplo, em genética ou em astronomia, muitas vezes vocês têm duas visões opostas da realidade. O material heriditário é o ADN ou são as proteínas? A Terra é plana ou redonda? Para decidir tais questões, raciocinam, observam e fazem experiências.


Ao avançarem, interrogam-se: Esta linha de raciocínio, ou esta observação ou experiência,  está mais em sintonia com a visão tradicional ou com a visão contrária? Às vezes chegam a um ponto em que devem descartar a visão tradicional e abraçar a visão oposta (psicologicamente, este processo é uma tarefa excruciante; vejam aqui e aqui).

É o que podem querer fazer ao examinar os argumentos e as provas inseridas nesta longa postagem. Para além de um certo ponto, o auto-respeito e a lógica devem conduzir-vos (se é que já não estão lá) a duas conclusões medonhas:

1. Quase todas as grandes operações terroristas  do séc. XXI são patrocinados pelo governo.


2. As explosões de Boston, de 2013, em particular, são um exemplo incontestável de terror planeado.

1. Os avisos e os presságios de terror iminente são ignorados

Os actos de terror implicam preparações meticulosas. Muitas vezes, alguém que não está a par da verdadeira autoria, percebe-os e alerta o governo. Como seria de esperar da hipótese da organização Gladio dos EUA (mas não da sua rival "jihadista"), tais alarmes são invariavelmente ignorados: Al Capone daria ouvidos a avisos de que alguém estava a planear matar um dos seus bandidos, quando esse alguém era o próprio Al Capone?

Vivemos agora numa terra/país onde os  denunciantes pacíficos e idealistas  são incriminados, torturados e levados à loucura; uma terra onde está a morrer a idealista Lynne Stewart, de 73 anos, que está presa e acorrentada à sua cama de hospital, porque ousou fornecer uma corajosa defesa legal a um clérigo muçulmano cego, acusado de forma fraudulenta; uma terra onde uma piada descuidada pode trazer sobre vós a ira da Cheka. {na União Soviética – a organização estatal da polícia secreta  (1917–22), a que sucedeu o GPU.}


Nesta terra, há dezenas de milhares de cidadãos comuns, cumpridores da lei, que podem ter ou não ter visões dissidentes, mas que, sem os benefícios de um juiz ou de um júri, sem julgamento, sem uma explicação, sem aviso prévio, chegam aos aeroportos americanos apenas para ser informados de que estão numa lista orwelliana secreta, tipicamente arbitrária. A lista inclui terroristas tais como Mikey Hicks, um viajante frequente de 8 anos de idade, de New Jersey, que "raras vezes embarcou num avião sem ter um aborrecimento, porque tem o mesmo nome de uma pessoa suspeita."

Dezenas de milhões de outras pessoas são impiedosamente perseguidas, irradiadas, abusadas fisicamente e humilhadas, antes de embarcar num avião. Sobretudo se estes passageiros tiverem um nome árabe, ou se são homens, mulheres ou crianças suficientemente maduros para mostrar descontentamento com os abusos do governo. Todo este assédio acontece, muitas vezes, com base numa prova muito frágil - ou mesmo sem que haja nenhuma evidência.


Então, vocês iriam esperar ingenuamente, que os esquadrões da morte (por exemplo, o FBI), saltassem para fora dos seus coletes à prova de bala, quando fossem informados por fontes confiáveis de que alguém está a pensar fazer explodir um avião ou dois. No entanto, eles quase nunca reagem.


Em Boston, os avisos sobre Tamerlan Tsarnaev surgiram rápidos e furiosos, incluindo dois alertas dos serviços russos:





"De acordo com as autoridades dos EUA, as mesmas foram avisadas  duas vezes pela Rússia de que ele podia estar ligado a militantes do Cáucaso. Em 2011, as autoridades de segurança russas solicitaram que os EUA investigassem as actividades de Tamerlan. O FBI teria feito uma rápida investigação e, em seguida, encerrou o caso, levando as  autoridades de segurança russas a fazer o mesmo pedido quatro meses depois, em Setembro de 2011. Tamerlan foi realmente vigiado pelo serviços secretos russos sempre que  visitou a Federação Russa. "

A teocracia saudita, e até mesmo a CIA, também emitiram avisos. A ditadura saudita praticava o que pregava  e "negou um visto de entrada ao irmão mais velho de Tsarnaev, em Dezembro de 2011, quando ele tinha esperança de fazer uma peregrinação a Meca."

O resultado foi que toda a família ficou sob vigilância:

"Cerca de 18 meses antes das explosões de Boston, a CIA adicionou a mãe dos dois suspeitos de terrorismo a um banco de dados, depois das autoridades russas levantarem suspeitas de que ela e o filho mais velho eram militantes religiosos".


Uma foto de Janet Napolitano e a legenda, foram copiadas da comunicação mediática corporativa:


"Ela sabia? Janet Napolitano. . . chefia o Departamento de Segurança Interna, a agência que, alegadamente, recebeu uma carta detalhada do reino saudita, sobre Tsarnaev ".

Apesar dos avisos, os presumíveis "terroristas" de Boston estavam visivelmente isentos das perseguições a que nós estamos sujeitos. Especialmente, o falecido Tamerlan Tsarnaev era um muçulmano, um lutador de várias artes marciais, não-cidadão, objecto de vários avisos e completamente um carácter altamente suspeito, se quisermos ter em conta as palavras de vários governos. No entanto, ao contrário de nós, este alegado detonador das panelas de pressão de Boston, jamais foi incomodado. Foi autorizado a voar para o exterior dos EUA, a participar  numa conferência militante patrocinada pela CIA na Rússia e, em seguida, de regresso à América – foi recebido sem ter havido quaisquer perguntas.

Tenho de me deparar com duas desculpas para este aparente lapso de segurança:

A primeira é "o mantra esfarrapado e que serve todos os fins, de uma “incapacidade de ligar os assuntos. "

 A segunda foi recitada pelo chefe de alguém usado como testa-de-ferro:

"Bem, o FBI investigou-os, mas o FBI não pode prender ninguém por causa de um rumor, de acordo com o Código Civil vigente”.

Esta desculpa é mesmo mais esfarrapada do que a primeira, uma vez que a nossa Constituição desapareceu em 2001. O nosso sistema legislativo proíbe a tortura, e mesmo assim, os subordinados dessa eminêncica parda aplicam a tortura todos os dias, numa escala maciça e em todos os lugares, inclusivamente sobre milhões de prisioneiros norte-americanos. O nosso sistema defende a liberdade de expressão, mas controla as fontes de informação das massas, tenta assumir o controlo dos fóruns mais importantes de liberdade de expressão (universidades e internet), e tortura ou executa aqueles que praticam a liberdade de expressão para ajudar a salvar o mundo da escravidão e da destruição ambiental. Em teoria, o nosso sistema proíbe o suborno, o roubo, a brutalidade da polícia – no entanto, tudo isto e muito mais acontece diariamente, em plena luz do dia.

Vou deixar o leitor decidir se tais omissões, em face das notificações repetidas, estão mais em sintonia com a versão do governo sobre o evento, ou com a da sua rival de  "tinfoil” = propaganda elaborada para ocultar uma conspiração maciça  do governo.


2. O Sindicato goza de um registo fantasticamente suspeito de identificar e capturar terroristas


Normalmente, o Sindicato sabe, num espaço de dias, quem são os autores do terror e é incrivelmente bem sucedido a capturá-los, ou matá-los.

Este registo impecável desafia o bom senso. Para comprová-lo, mantenham-se de fora por um segundo e pensem: Se vocês fossem suficientemente depravados para contemplar a morte de, digamos, um jovem adolescente americano, um gerente de restaurante e uma estudante chinesa de estatística, e se queriam ferir algumas de centenas de americanos e estrangeiros, não podiam pensar numa maneira de fazê-lo sem serem apanhados dentro de dias?

Não é uma suposição comum, nos romances policiais e nos melhores departamentos da polícia que, por vezes,  são necessários meses ou anos para identificar os culpados?  

Será que Sherlock Holmes resolvia sempre um crime em três dias?

Este registo superlativo também está em desacordo com o registo de apreensão do Sindicato, como um todo:


A. Quando se trata de identificar os assassinos dos amigos da Humanidade, invariavelmente, os banqueiros evitam notar que foi cometido um crime, não conseguem identificar os criminosos, ou identificam-nos incorrectamente.


Vamos pôr de lado a ineficácia dos banqueiros em reconhecer os seus próprios crimes financeiros gigantescos (vejam este, por exemplo), ou as operações de lavagem maciça do dinheiro das drogas, e vamos dirigir o nosso olhar para a morte de pessoas que eles consideram inconvenientes, mas influentes.  

Até hoje, os banqueiros falharam em explicar a morte prematura de vários grevistas sindicalistas e de pessoas de cor;

o caso único do influente anti-fascista, Major-General Smedley Butler, aos 58 anos;
do inimigo da Reserva Federal (ou seja, inimigo dos Rothschilds, Rockefellers, e das famílias dos banqueiros relacionados), o congressista Charles Lindbergh Senior, de 65 anos;
do neto Charles Lindbergh Junior ("o crime do século"), de 20 meses de idade;
do inimigo da Reserva Federal e poderoso congressista Louis McFadden, de 60 anos (a terceira tentativa não resolvida na sua vida foi, finalmente, bem sucedida);
do adversário da neo-colonização do Iraque, o Ranger do exército e ex-futebolista, Pat Tillman, de 24 anos;
dos acusadores dos banqueiros, Deborah Jeane Palfrey, 52 anos; o  jornalista da "Dark Alliance",Gary Webb, de 49 anos;
do jornalista da exposição dos escândalos políticos e financeiros, Mark Pittman, de 52 anos;
do adversário dos  ex-generais do Pentágono e da CIA, o jornalista Michael Hastings, 33 anos;
do produtor de cinema, inimigo de Nick Rockefeller, Aaron Russo, de 64 anos;
do líder sindical Walter Reuther, de 62 anos (após, pelo menos, duas tentativas anteriores não conseguidas);
do jornalista e candidato a senador, John Fitzgerald Kennedy Jr., de 38 anos, lutador das cruzadas anti-pobreza e anti-guerra;
de Martin Luther King, de 39 anos (na sequência de uma milagrosa sobrevivência de, pelo menos, uma outra tentativa bizarra);
do senador Paul Wellstone, de 58 anos e amante da paz;
do pacifista Phil Ochs Folksinger, 35 anos (que sobreviveu a duas tentativas anteriores não conseguidas );
do cantor jamaicano Bob Marley, de 36 anos e milhares de outras tentativas de assassinatos dos nossos heróis, amantes da paz.

E não se trata de os esquadrões da morte (FBI, CIA, DIA e dezenas de outras organizações congéneres) terem sido apanhados de surpresa por estas mortes.

Pelo contrário, a maioria ou todas essas vítimas tinham sido seguidas e tinham um registo extenso no arquivo do grupo de extermínio, antes das suas mortes prematuras.

B. Os banqueiros temem revolucionários altruístas como Thomas Paine, Che Guevara, ou Malcolm X, forçando-os muitas vezes a ir para a clandestinidade, ou a procurar asilo num país ainda não parasitado. E embora esses idealistas, em nítido contraste com a designação oficial de terroristas, possam representar ameaças leves ao reinado dos banqueiros, e embora os banqueiros estejam desesperadamente sedentos de sangue, muitos desses revolucionários conseguem desaparecer sem deixar vestígios, ou fugir para um país livre do Sindicato do crime.

Uma notícia recente ilustra este ponto. Assata Shakur, membro do Exército de Libertação Negra, está na lista dos mais procurados pelos banqueiros. Foi incriminada em 1973, condenada à prisão em 1977, escapou e desapareceu em 1979, e conseguiu chegar a Cuba em 1984, onde vive até hoje (70 outros fugitivos americanos também  vivem nessa ilha). Embora os banqueiros tenham oferecido imprimir 2 milhões de dólares do nada e entregá-los a qualquer Judas disposto a traí-la, Assata "ostenta a sua liberdade", continua o seu activismo, e induz os "apoiantes e grupos a  mobilizarem-se contra os EUA por qualquer meio necessário . "Os banqueiros rugem e espumam pela boca, mas não foram capazes de colocar os seus dedos pegajosos nela.

C. Terceiro caso, e o mais óbvio, são os crimes comuns. Em contraste com os supostos actos de terror, também ficam muitas vezes  sem solução.


Em Boston, demorou quatro dias ou menos a atribuir as explosões a um cidadão saudita, a retirar-lhe depois essa atribuição, em seguida, engendrar uma nova identificação positiva, avançar para assassinar um dos novos suspeitos (Tamerlan Tsarnaev) e disparar, cortar a garganta  e quase matar o outro (Djokhar Tsarnaev).

3. Não há planos de fuga

Um sinal indicador relacionado focaliza-se  nos próprios terroristas. Visto que o terrorismo é uma acção particularmente arriscada, um terrorista faria naturalmente  qualquer coisa para minimizar a possibilidade de ser apanhado. Antes de cometer assassinatos, teria arquitectado um plano de fuga. O mundo é um lugar muito grande e, como acabamos de ver, ainda é possível desaparecer sem deixar vestígios. Então, esconder-se-ia durante um ano ou dois, certificar-se-ia de que o caminho está livre, mudaria a sua aparência, começaria uma nova vida - ou planearia o seu próximo ataque.

Não estamos a falar sobre a teoria da relatividade, mas de bom senso  elementar: O terrorista desenvolve um plano de fuga, instala as bombas e escapa – de preferência, muito antes de explodirem. No entanto, a maioria dos terroristas oficiais ainda tem de descobrir isso. Os pobres desajeitados matam, são apanhados e geralmente, não se comportam como o bom senso sugere que deveriam fazer.

Também em Boston, os "terroristas" não tentaram desaparecer até que -  para sua grande  surpresa e choque -  compreenderam que eram os assassinos procurados. Na verdade, o irmão mais novo, suficientemente inteligente  para receber uma bolsa de estudos da Universidade de Massachusetts, foi aparentemente muito burro para não fugir rapidamente. Nos primeiros três dias que mediaram entre as explosões e a sua captura, parecia descontraído, fazia ginástica, ia a festas e frequentou aulas.

4. Sem disfarces.

É do conhecimento geral que os criminosos e revolucionários, num esforço para evitar a captura e o castigo, muitas vezes assumem uma identidade ou aparência radicalmente diferente da sua. Será que se você estivesse a planear homicídios aleatórios, não desejaria minimizar a possibilidade de ser apanhado, espezinhado até à morte, 'afogado', lançado na cela solitária durante anos e anos, ser forçado a tomar drogas que alteram a mente e submetem o indivíduo  a uma subserviência degradante?

Por exemplo, Sherlock Holmes, era um mestre do disfarce. Mesmo o bom Dr. Watson não podia reconhecer o seu parceiro viciado em cocaína, quando criativamente Holmes usava roupas, atitudes, postura, voz, peruca, e corantes como disfarces. Ou, falando de Boston, alguns dos verdadeiros terroristas, membros do Tea Party, não pensaram ser necessário esconder as suas identidades, muito antes da época das câmeras de vigilância, dos computadores, e de um polícia a cada esquina?


No caso de pensarem que os disfarces pertencem a narrativas de ficção, ou que são relíquias do passado, deixem-me contar-vos um dos muitos exemplos contemporâneos. Quando estava a escrever estas linhas,  deparei-me com uma história de um esquadrão da morte (a CIA, concretamente neste caso) – de um agente da CIA a tentar recrutar um agente dos serviços secretos russos. Pelas convenções estranhas do nosso mundo assustador, este agente, formalmente um diplomata americano em Moscovo, arriscou, apenas, a humilhação, a deportação e a reatribuição, não colocou em perigo a sua carreira, ou a sua vida. No entanto,  foi detido com um arsenal de espionagem, composto de perucas e óculos.


Em contrapartida, os “terroristas” da Gladio americana, raramente ou nunca se preocuparam em mudar de aparência. Devemos, portanto, concluir que todos os terroristas designados pelo Sindicato, são suicidas, idiotas, ou bodes expiatórios.

No caso de Boston, em particular, os dois irmãos não fizeram nenhum esforço para usar qualquer disfarce, antes, durante, ou após o atentado.

5. Falsificando a cena do crime e as  provas

Os autores de cada incidente da Conspiração da Gladio americana, controlam a cena do crime e as provas, portanto, estão em posição de fazê-lo caber dentro do esquema da sua narrativa de ficção.

Este ponto é tão simples, que o exemplo de Boston deve ser suficiente. A autópsia de Tamerlan foi realizada por agentes do  Sindicato, permitindo assim ao governo chegar a qualquer conclusão adequada aos seus interesses.

6. A resposta militar é desproporcionada ao acto de terror, como é oficialmente designado

Logo que os fantoches dos banqueiros designam uma tragédia como um incidente de "terror", a resposta física no terreno é desporporcionada à magnitude do incidente e aos riscos subsequentes para o público. Por isso, deve supor-se que o objectivo de tal exagero não é proteger o público ou capturar os criminosos. Em vez disso, o objectivo é reduzir o número de testemunhas oculares do que realmente aconteceu, falsificar a cena do crime, fornecer uma desculpa para minar a Segunda Emenda (essa emenda que, juntamente com a internet, é uma das poucas restrições que restam a um controlo fascista imediato), levar os americanos a recuar com medo de tais demonstrações impressionantes de poder bruto, fazê-los esquecer que nenhum homem é uma ilha, induzi-los à brutalidade e ao vandalismo, e forçar "as pessoas a recorrer ao estado para implorar maior segurança ".

Paul Craig Roberts:

"Quero dizer que essa resposta em Boston foi absurda por ter 10.000  soldados e tanques nas ruas à procura de um adolescente de 19 anos. Por que motivo fecham toda a área metropolitana, de uma das nossas principais cidades, pelo facto de estarem à procura de um garoto? "



Continua em
 Parte 2


Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos
Email: luisavasconcellos2012@gmail.com
Revisão: Mariqa Alpinda
Index webpage: http://peacelovelove.blogspot.pt/
Post a Comment

assange



At midday on Friday 5 February, 2016 Julian Assange, John Jones QC, Melinda Taylor, Jennifer Robinson and Baltasar Garzon will be speaking at a press conference at the Frontline Club on the decision made by the UN Working Group on Arbitrary Detention on the Assange case.

xmas





the way we live

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

RC



info@exopoliticsportugal.com

BJ 2 FEV


http://benjaminfulfordtranslations.blogspot.pt/


UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00h UTC


By choosing to educate ourselves and to spread the word, we can and will build a brighter future.

bj


Report 26:01:2015

BRAZILIAN

CHINESE

CROATIAN

CZECK

ENGLISH

FRENCH

GREEK

GERMAN

ITALIAN

JAPANESE

PORTUGUESE

SPANISH

UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT


BENJAMIN FULFORD -- jan 19





UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT

PressTV News Videos