Labels

SUPPORT JULIAN ASSANGE

Monday, February 12, 2018

PT -- Manlio Dinucci -- A Arte da Guerra: A quem são úteis as "guerras inúteis"?


A Arte da Guerra

A quem são úteis as "guerras inúteis"?

Manlio Dinucci


A canção merecidamente vencedora do Festival de Sanremo é acompanhada de um videoclip que mostra cenas dramáticas de guerra e atentados num mundo onde a vida, apesar disso, deve continuar “porque tudo vai para além das vossas guerras inúteis". Vamos tentar substituir o videoclip por um documentário dos factos mais recentes.
Na Europa, a NATO está a distribuir, progressivamente, forças armadas (incluindo as italianas) na frente leste contra a Rússia, apresentada como uma potência agressiva e ameaçadora. No âmbito de uma reabilitação nuclear cujo custo é 1,2 triliões de dólares, os Estados Unidos preparam-se para instalar, a partir de 2020 na Itália, Alemanha, Bélgica e Holanda e, provavelmente, também na Polónia e noutros países do leste, as novas bombas nucleares B61- 12, com as quais serão armados os caças bombardeiros F-35.
Nos exercícios de guerra nuclear participa a Força Aérea Italiana que, em Setembro passado, enviou uma equipa ao Comando Estratégico dos EUA. Os Estados Unidos também acusam a Rússia de colocar no seu território,  mísseis terrestres assentes no solo, violando o Tratado INF de 1987 e estão a preparar-se para instalar, na Europa, mísseis semelhantes aos Pershing 2 e aos Cruise, da década de oitenta.
Deste modo, cria-se um confronto militar semelhante ao da Guerra Fria, que aumenta a influência dos EUA na Europa e reúne os aliados numa estratégia comum, destinada a manter a supremacia num mundo em mudança.
Isto implica uma despesa militar crescente: a Itália irá aumentá-la de 70 para 100 milhões de euros por dia; a Espanha de 50 milhões/dia, terá um aumento de 73% até 2024; a França aumentará 40%, superando os 135 milhões por dia. Para potenciar o seu arsenal nuclear, a França gastará 37 biliões até 2025. Negócios de ouro para as indústrias bélicas: o rendimento das acções da maior indústria de guerra do mundo, a firma americana Lockheed Martin, aumentou 84% em três anos.
Úteis para os poderosos interesses que alimentam a escalada EUA/NATO são as formações neonazis ucranianas, treinadas por instrutores dos EUA transferidos de Vicenza. A Ucrânia de Kiev, onde convergem os militantes nazis de outros países, tornou-se o "berçário" do renascimento do nazismo no coração da Europa (mas, sobre este assunto, quase não se fala em Itália).
No Médio Oriente, após a intervenção russa de apoio a  Damasco, o plano dos EUA e da NATO para demolir o Estado sírio, como fizeram com a Líbia, falhou. Está em curso a tentativa, coordenada com Israel, de balcanisar o país, arrebatando-lhe pedaços do território nacional.
Numa audiência no Congresso dos EUA, em 6 de Fevereiro deste ano, o Embaixador (aposentado), Robert Ford, declarou que, para as operações militares e “civis” na Síria, em cuja região leste operam, hoje, cerca de 2.000 soldados americanos, os Estados Unidos gastaram, desde 2014, 12 biliões de dólares (em grande parte para armar e apoiar movimentos jihadistas com o objectivo de destruir o Estado por dentro).

Na Asia Oriental - sublinha a «National Defense Strategy 2018 = Estratégia de Defesa Nacional 2018» do Pentágono - os Estados Unidos enfrentam “a China, uma concorrente estratégica que usa uma economia destruidora para intimidar os seus vizinhos, enquanto militariza, de muitas maneiras, o Mar da China Meridional". O Pentágono está a examinar um plano para enviar para a Asia Oriental, uma força de reacção rápida de Marines, fortemente armada.
Perdendo terreno no plano económico em relação à China, os Estados Unidos colocam no terreno, a sua força militar. Assim, criam novas tensões na região, não por acaso, no momento em que há sinais de paz entre as duas Coreias. A solução pode ser outra guerra, não "inútil", mas muito útil para a estratégia do império.
 
Il manifesto, 13 de Fevereiro de 2018




NO WAR NO NATO


Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Post a Comment

assange



At midday on Friday 5 February, 2016 Julian Assange, John Jones QC, Melinda Taylor, Jennifer Robinson and Baltasar Garzon will be speaking at a press conference at the Frontline Club on the decision made by the UN Working Group on Arbitrary Detention on the Assange case.

xmas





the way we live

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

RC



info@exopoliticsportugal.com

BJ 2 FEV


http://benjaminfulfordtranslations.blogspot.pt/


UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00h UTC


By choosing to educate ourselves and to spread the word, we can and will build a brighter future.

bj


Report 26:01:2015

BRAZILIAN

CHINESE

CROATIAN

CZECK

ENGLISH

FRENCH

GREEK

GERMAN

ITALIAN

JAPANESE

PORTUGUESE

SPANISH

UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT


BENJAMIN FULFORD -- jan 19





UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT

PressTV News Videos