Labels

SUPPORT JULIAN ASSANGE

Monday, January 8, 2018

PT -- Manlio Dinucci -- A Arte da Guerra O verdadeiro livro explosivo é o que foi assinado por Trump


Imagem relacionada
A Arte da Guerra
O verdadeiro livro explosivo é o que foi assinado por Trump
Manlio Dinucci

Todos falam acerca do livro explosivo sobre Trump, com revelações sensacionais do modo como Donald dispõe o seu tufo de cabelo, de como ele e a esposa dormem em quartos separados, o que se murmura atrás dele nos corredores da Casa Branca, o que o filho mais velho fez que, ao encontrar-se com uma advogada russa, na Torre Trump, em Nova York, traiu a pátria e alterou o resultado das eleições presidenciais. No entanto, quase ninguém fala sobre um livro com um conteúdo verdadeiramente explosivo, publicado há pouco e assinado pelo presidente Donald Trump: "NationalSecurity Strategy = Estratégia da Segurança Nacional dos Estados Unidos". É um documento periódico elaborado pelos poderes máximos das várias administrações, sobretudo das administrações militares. A respeito do anterior, publicado pela Administração Obama, em 2015, o da Administração Trump contém elementos de continuidade considerável.
O conceito basilar é que, para "colocar a América em primeiro lugar para que seja segura, próspera e livre", é necessário ter "força e vontade para exercer a liderança dos EUA no mundo". O mesmo conceito expresso pelo governo Obama (bem como os anteriores): "Para garantir a segurança do povo, a América deve dirigir a partir de uma posição de força".
A respeito do documento de estratégia da Administração Obama, que falava da "agressão russa à Ucrânia" e do "alerta para a modernização militar da China e da sua presença crescente na Ásia", o livro da Administração Trump é muito mais explícito: "A China e a Rússia desafiam o poder, a influência e os interesses da América, tentando diminuir a sua segurança e prosperidade".
Desta forma, os autores do documento estratégico descobrem as cartas, mostrando o que está em jogo para os Estados Unidos: o risco crescente de perder a supremacia económica perante o aparecimento de novos actores estatais e sociais, sobretudo a China e a Rússia, que estão a tomar medidas para reduzir o domínio do dólar que permite aos EUA manter um papelpreponderante, imprimindo dólares cujo valor se baseia não na capacidade económica real dos EUA, mas no facto de serem usados ​​como moeda global. "A China e a Rússia - sublinha o documento estratégico - querem formar um mundo incompatível com os valores e com os interesses dos EUA.
A China procura tomar o lugar dos Estados Unidos na região do Pacífico, divulgando o seu modelo de economia estatal. A Rússia procura recuperar o seu estatuto de grande potência e estabelecer esferas de influência junto às suas fronteiras. Pretende enfraquecer a influência dos EUA no mundo e afastar-nos dos nossos aliados e parceiros". Daí uma verdadeira declaração de guerra: "Vamos competir com todos os instrumentos do nosso poder nacional para garantir que as regiões do mundo não sejam dominadas por uma única potência", ou seja, para garantir que todos estejam dominados pelos Estados Unidos. Entre "todos os instrumentos", estão incluídas, obviamente, as forças militares, nas quais os EUA são superiores.

Como sublinhava o documento estratégico da Administração Obama, "possuímos uma força militar cujo poder, tecnologia e alcance geoestratégico não tem igual na História da Humanidade; temos a NATO, a aliança mais forte do mundo ". A "Estratégia da Segurança Nacional dos Estados Unidos", assinada por Trump, envolve a Itália e os outros países da NATO, chamados a fortalecer o flanco oriental contra a "agressão russa" e a destinar, pelo menos, 2% do PIB para as despesas militares e 20% do mesmo para a aquisição de novas forças e armas. A Europa vai para a guerra, mas não se fala deste problema nos debates televisivos: este assunto não é um tema eleitoral.
Il manifesto, 9 de Janeiro de 2018 


Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos
Post a Comment

assange



At midday on Friday 5 February, 2016 Julian Assange, John Jones QC, Melinda Taylor, Jennifer Robinson and Baltasar Garzon will be speaking at a press conference at the Frontline Club on the decision made by the UN Working Group on Arbitrary Detention on the Assange case.

xmas





the way we live

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

RC



info@exopoliticsportugal.com

BJ 2 FEV


http://benjaminfulfordtranslations.blogspot.pt/


UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00h UTC


By choosing to educate ourselves and to spread the word, we can and will build a brighter future.

bj


Report 26:01:2015

BRAZILIAN

CHINESE

CROATIAN

CZECK

ENGLISH

FRENCH

GREEK

GERMAN

ITALIAN

JAPANESE

PORTUGUESE

SPANISH

UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT


BENJAMIN FULFORD -- jan 19





UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT

PressTV News Videos