Labels

SUPPORT JULIAN ASSANGE

Thursday, May 25, 2017

Manlio Dinucci -- Trump a caminho do G-Nato de Taormina




«A’ARTE DA GUERRA»

Trump a caminho do G-Nato de Taormina


 | ROMA (ITáLIA)  



JPEG - 33.1 Kb
O Presidente Trump, depois de ter estado na Arábia Saudita e em Israel, visita Roma amanhã e vai, em seguida, no dia 25, à Cimeira da NATO em Bruxelas e volta a Itália, nos dias 26 e 27, para assistir ao G7 de Taormina e para conhecer a base dos EUA/NATO, em Sigonella.
Quais são os objectivos da sua primeira viagem ao estrangeiro? São, sobretudo, três - explica o General McMaster, Conselheiro do Presidente para a segurança nacional - difundir uma "mensagem de unidade" aos muçulmanos, judeus e cristãos; construir relacionamentos com os líderes mundiais e projectar o poder americano no estrangeiro.
A visita a Roma é a terceira etapa do que é descrito como uma "peregrinação religiosa aos locais sagrados das três grandes religiões". O "Peregrino" começou a viagem, assinando em Riyadh um acordo de venda de armas dos EUA à Arábia Saudita, no valor de 110 mil milhões de dólares, que se irão juntar às fornecidas pelo Presidente Obama, no valor de US $115 biliões. Armas usadas, entre outras coisas, na guerra da coaligação liderada pela Arábia Saudita e apoiada pelos EUA, que mata civis no Iémen.

Na "Cimeira Árabe Americana", em 21 de Maio, em Riyadh, Trump apelou à Arábia Saudita e a outras monarquias do Golfo, para assumirem um compromisso renovado na luta contra o terrorismo, ou seja, aqueles que financiaram e armaram o Estado Islâmico/ISIS e outros grupos terroristas nas operações levadas a cabo, sob a orientação dos EUA/NATO, desde a Líbia até à Síria e ao Iraque. Neste grande "batalha entre o Bem e o Mal," Trump inclui o Hezbollah e o Hamas na lista dos "criminosos bárbaros", juntamente com o ISIS e a Al Qaeda. Culpa o Irão de ser responsável pela instabilidade no Médio Oriente, acusando-o de "financiar, armar e treinar milícias terroristas que semeiam a destruição e o caos na região" para desestabilizar a Síria, onde "Assad, apoiado pelo Irão, cometeu crimes indescritíveis." Uma verdadeira declaração de guerra contra o Irão, que, na verdade, cancela os acordos previamente concluidos e é bem recebida, principalmente, por Israel. Nesse país, o Presidente norteamericano estará de visita em 22-23 de Maio, para reforçar a cooperação estratégica.
E enquanto, nas prisões israelitas, a greve de fome de milhares de prisioneiros políticos palestinianos, já se arrasta há 40 dias, Trump encontra-se com Mahmoud Abbas para "exortar os líderes palestinianos a dar passos construtivos em direcção à  paz."
Trazendo essa "mensagem de unidade", Trump irá discutir amanhã, com o Papa Francisco, em Roma, "uma série de questões de interesse mútuo." Depois da reunião com o Presidente Mattarella, o qual reafirmará o ''vínculo histórico” da Itália aos Estados Unidos, Trump vai participar na Cimeira da NATO, em Bruxelas.
Aí, ele vai apoiar o plano do Pentágono para a Europa [1], ou seja, a escalada militar dos EUA na Europa e o reforço da NATO em face a "uma Rússia desperta, que procura minar a ordem internacional ocidental liderada pelos EUA." Este é o plano que Trump tem de executar, renegando a sua reivindicação de uma “NATO obsoleta” e a sua promessa eleitoral de abertura a negociações com Moscovo: de facto, paira sobre a sua cabeça, a espada de Dâmocles - a impugnação, devido à acusação de conluio com o inimigo.
Depois da Cimeira da NATO, Trump vai para o G7, constituído pelos seis grandes países da NATO - EUA, Canadá, Alemanha, Grã-Bretanha, França e Itália – bem como pelo Japão, o principal aliado dos EUA e da NATO na região asiática do Pacífico, onde o Pentágono exemplifica o aumento das forças, incluindo forças nucleares, contra uma "China agressiva e uma Rússia vingativa". No final, o Presidente dos Estados Unidos, irá visitar a vizinha base aérea de Sigonella, que é o sustentáculo principal  da guerra aberta e oculta dos EUA e da NATO no Médio Oriente e no Norte da África, apresentada como a “projecção da estabilidade na Mediterrâneo”. 

[1] “Perché Trump ha bombardato Sheyrat?”, di Thierry Meyssan, Traduzione Matzu Yagi, Megachip-Globalist (Italia) , Rete Voltaire, 2 maggio 2017. “Ecco il piano del Pentagono per l’Europa”, di Manlio Dinucci, Il Manifesto (Italia) , Rete Voltaire, 9 maggio 2017.
L’articolo è su licenza Creative Commons
Potete riprodurre liberamente gli articoli del Réseau Voltaire a condizione di citare la fonte, di non modificarli e di non usarli a scopi di lucro (licenza CC BY-NC-ND).
Post a Comment

assange



At midday on Friday 5 February, 2016 Julian Assange, John Jones QC, Melinda Taylor, Jennifer Robinson and Baltasar Garzon will be speaking at a press conference at the Frontline Club on the decision made by the UN Working Group on Arbitrary Detention on the Assange case.

xmas





the way we live

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

RC



info@exopoliticsportugal.com

BJ 2 FEV


http://benjaminfulfordtranslations.blogspot.pt/


UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00h UTC


By choosing to educate ourselves and to spread the word, we can and will build a brighter future.

bj


Report 26:01:2015

BRAZILIAN

CHINESE

CROATIAN

CZECK

ENGLISH

FRENCH

GREEK

GERMAN

ITALIAN

JAPANESE

PORTUGUESE

SPANISH

UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT


BENJAMIN FULFORD -- jan 19





UPDATES ON THURSDAY MORNINGS

AT 08:00 H GMT

PressTV News Videos